| Impacto COVID-19 na atividade económica das empresas turísticas do Minho

| Resumo dos resultados

  • Faturação

    Entre março e abril de 2020, 77% das empresas encerraram temporariamente a atividade da empresa e 4% encerraram definitivamente;

    No mesmo período, 97% indicaram uma redução no volume de negócios acima dos 80% em comparação com o período homólogo e 98% estimam uma redução no volume de negócios para o próximo verão (junho, julho, agosto);

    82% revelam incerteza para suportar os custos correntes de funcionamento no referido período, em particular as empresas do setor da Restauração e das Agências de viagens;

    As Agências de viagens e o setor da Animação turística são os que mais ponderam o encerramento definitivo das empresas até ao próximo verão;

  • Emprego

    83% das empresas não tiveram necessidade de despedir trabalhadores, contudo extinguiram-se 48 postos de trabalho desde o início da pandemia;

    21% das empresas pondera contratar profissionais de turismo no futuro, 54% destas pondera contratar nos próximos 12 meses, perspetivando-se a criação de 71 novos postos de trabalho;

    O setor da Animação turística e o do Alojamento representarão, em conjunto, 2/3 do total de postos de trabalho futuros;

    60% dos novos postos de trabalho serão criados nos Concelhos de Guimarães, Braga, Barcelos e Monção;

  • Apoio

    52% das empresas inquiridas recorreram a apoio financeiro no âmbito da COVID-19, contudo 87% das empresas considera que os apoios financeiros existentes são inadequados;

    A maioria das empresas indica empréstimos a fundo perdido, isenção fiscal durante 6 meses, redução da taxa de iva até ao fim do ano, diminuição dos encargos sobre a remuneração (TSU) e o prolongamento do lay-off como as principais medidas que pretendem ver implementadas;

    45% das empresas avalia positivamente o papel das instituições ligadas ao turismo durante o período crítico da pandemia e, em sentido inverso, 44% das empresas respondentes avalia como insuficiente o apoio prestado por estas, no mesmo período;

  • HST Covid-19

    82% das empresas indica ter esclarecimentos suficientes para implementação e cumprimento das novas regras de higiene e segurança no trabalho e pondera aderir ao programa "Clean & Safe";

    Os setores do Alojamento e da Restauração são aqueles que detêm menor conhecimento das novas regras de higiene e segurança no trabalho e menor conhecimento do referido programa.

APROTURM | Associação dos Profissionais de Turismo do Minho

  • Branca Ícone LinkedIn
  • Profissionais de Turismo
  • Branca Ícone Instagram